Todo

Reprodução assistida de casais gays masculinos: quebrando tabus

Anúncio casada 535296

E tem ajudado também a derrubar o preconceito. E se nenhum dos pais for fértil, o que fazer? Todos os envolvidos no processo precisam assinar um termo de consentimento informado. A doadora se compromete a seguir as recomendações médicas e entregar a criança depois do parto. Falaremos mais sobre ela aqui.

Comediante Paulo Gustavo e o marido Thales Bretas recorrerão ao método para terem filhos

Mas brasileiros podem contratar mulheres para gerarem seus filhos em outros países. Em , quando o fundador da empresa Doron Mamet Meged decidiu ter prole com o parceiro, eles tiveram de viajar de um país para o outro e resolver toda a papelada por conta própria. Perceberam, assim, uma lacuna no mercado e fundaram uma empresa que oferece esse tipo de assessoria internacional. As restrições conservadoras acabam limitando as opções e encarecendo a média de preço do serviço. Ultimamente, a Colômbia regulamentou o segmento. Com um mês e meio de viver, veio para o Brasil morar com a família. Da entrada nos papéis até o nascimento, o processo levou um ano e dois meses para ser concluído. Cobrar por isso é crime no país. Mas aí vai de caso a caso.

De quem pode ser o útero solidário para casais gays?

Uma delas é a barriga de arrendamento. Segundo a empresa Tammuz, que agencia casais que buscam a barriga de aluguel em outros países, desde foram 30 bebês de pais brasileiros nascidos pelo método. O ginecologista Sandro Sabino explica o método. No caso de casais homossexuais ou de pessoas solteiras, é preciso um doador de espermatozóide ou óvulo. Após mais de dez anos de relacionamento, o casal Pedro Maciel Filho, 42, e Janderson de Lima, 37, decidiu aumentar a parentela. Dali nasceram, de duas gestações quase simultâneas, um casal de gêmeas e um menino.

Uma longa jornada

A Ucrânia, um dos países mais pobres da Europa, vem se tornando direção cada vez mais procurado por quem busca uma barriga de aluguel. Mas a jovem conta que acabou entrando no mercado da barriga de arrendamento porque queria ter algo a restante, conseguir comprar coisas mais caras, um carro, por exemplo, ou pagar pela reforma da casa. Barrados na Índia, Nepal e Tailândia, eles se voltaram para a Ucrânia, um dos poucos países em que a barriga de aluguel ainda poderia ser negociada velozmente e com custos relativamente baixos se comparado aos Estados Unidos, por lição. Quando tinha 21 anos, depois de ter trabalhado alguns anos no hotel, Ana decidiu finalmente entrar nesse mercado. Ana teve sorte. Mas foi então que a dificuldade começou. Segundo ela, a qualidade do tratamento dado a ela pela clínica caiu muito a partir daí. Ana postou suas reclamações online para alertar outras mulheres, mas acabou repreendida pela clínica - e hoje tem medo de citar o nome do local publicamente.

Leave a Reply

Your email address will not be published.